TERAPIA ZACARILIANA

Iluustração: Abel Costas

Iluustração: Abel Costas

Na semana passada, encaminhei uma mensagem via e-mail para alguns amigos (e outros nem tanto), onde eu fazia um pedido no mínimo inusitado. Solicitei que escrevessem algo sobre minha pessoa. Expliquei, ainda, que não precisava ser nada extenso, mas que escrevessem tudo que lhe viessem à cabeça quando pensassem em mim. Para arrematar, avisei que se tratava de um pedido do meu psiquiatra, e que fizessem isso por mim até segunda-feira, quando iria novamente à consulta para levar os textos.

Diante das respostas recebidas, muitas vezes, não me continha em dar umas boas gargalhadas. Outras vezes, ficava surpreendido, principalmente, porque vivia a oportunidade de enxergar a mim mesmo com os olhos dos outros.

A cada instante eu era lembrado das minhas virtudes. Algumas, —confesso— sequer tinha consciência de que as possuía. Mas também houve quem me apontassem os defeitos que, de agora em diante, vou tentar bani-los de minha vida, se é que isso é possível, já que sou um ser humano e, como tal, também sujeito as imperfeições. Mas uma coisa é certa: procurarei ser uma pessoa bem melhor.

O curioso é que teve quem viu na iniciativa, uma simples brincadeira minha ( o que realmente é verdade). Outros pensaram tratar-se de mais um vírus desses que infernizam a vida de quem navega pela internet. A maioria externou sua preocupação com o meu “estado de saúde”, devido a minha vida atribulada nos últimos tempos.

Uma jornalista amiga escreveu: “—Você nunca me deixou sem resposta, mesmo que fosse pra dizer que não iria poder me ajudar. Você sabe que é especial e meu braço direito, minha melhor fonte e o primeiro nome do qual me lembro nos momentos de aperto aqui na redação. Você continua em um espaço terno e cheio de carinho em meu coração”.

A preocupação de alguns amigos foi tanta que em uma das mensagens recebida dizia o seguinte: “—Pense em Deus, na sua família. Pense nos seus amigos que lhe querem bem. Lembre-se, você é imortal de Academia de Letras, mas não é imorrível. Por isso, antes de apertar o gatilho, conte até dez…”

Anúncios

Etiquetas: , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: